Curatorial work‎ > ‎

Laboratório de Anatomia

 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vistas da exposição/ Exhibition views. Fotos/ Photos: Nina Szielasko
Exposição 
LABORATÓRIO DE ANATOMIA -
Ver e Pensar o Corpo

Organização
Museu de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em parceria com a unidade curricular de Ciberarte da Licenciatura em Pintura da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa

Colaboração
Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva

Apoio
Reitoria da Universidade de Lisboa

Curadores
Manuel Valente Alves e Hugo Ferrão

Concepção gráfica
Nina Szielasko

Local
Reitoria da Universidade de Lisboa

Data
28 de Junho a 13 de Setembro de 2013

 
 

 


A exposição Laboratório de Anatomia: Ver e Pensar o Corpo, organizada pelo Museu de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em parceria com a unidade curricular de Ciberarte da licenciatura em Pintura da Faculdade de Belas Artes de Lisboa e o apoio da Reitoria da Universidade de Lisboa, destinava-se a criar um espaço de fruição e reflexão sobre o corpo, através de representações gráficas do passado que se ligam a interpretações artísticas do presente. O projecto teve como ponto de partida 21 desenhos anatómicos, aqui expostos, realizados durante a primeira metade do século XX por alunos da cadeira de «Anatomia Artística» da Escola de Belas Artes de Lisboa e que actualmente fazem parte do espólio do Museu de Medicina.
Foi a partir desses desenhos que 50 alunos da disciplina de «Ciberarte» da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa realizaram, no presente ano lectivo, as obras aqui expostas, um verdadeiro mosaico de experiências plásticas, utilizando conceitos, técnicas e poéticas diversificados que articulam o passado e o presente, a realidade e a imaginação, a arte e a ciência. A estas peças junta-se, na exposição, segundo a mesma lógica, um núcleo de quatro desenhos de Vieira da Silva do espólio da Fundação Arpad Szenes/Vieira da Silva. O conjunto organiza-se em seis núcleos: 1. Redesenhar o corpo (obras gráficas); 2. Recriar o corpo (obras pictóricas); 3. Reinventar o corpo (obras videográficas); 4. Redescobrir o corpo (obras fotográficas); 5. Reformular o corpo (obras digitais); 6. Abraçar o corpo (desenhos anatómicos de Vieira da Silva).
----------


A universidade é um lugar de encontros. Entre pessoas. Entre gerações. Entre disciplinas. Entre passados e futuros.
A Exposição Laboratório de Anatomia leva-nos a ver e pensar o corpo através de um diálogo entre desenhos anatómicos feitos na primeira metade do século XX e interpretações artísticas realizadas por alunos da Faculdade de Belas-Artes durante o último ano.
Através de seis núcleos temáticos [...] juntam-se olhares de gerações muito distintas, num trabalho de criação que define a Arte e a Ciência.
A universidade é uma instituição de cultura e de conhecimento, aberta à cidade e à sociedade.
Através desta Exposição cumprimos a nossa missão de preservar e renovar a herança que recebemos. Assim, continuamos a transformar o passado em futuro.

António Sampaio da Nóvoa, Reitor da Universidade de Lisboa


A colecção de desenhos anatómicos do Museu de Medicina foi criada durante a primeira metade do século XX por Henrique de Vilhena, professor da Escola de Belas Artes de Lisboa e fundador do Instituto de Anatomia da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Embora as aulas de desenho de modelo fossem realizadas na Escola de Belas Artes, o corpo dissecado era estudado no Instituto de Anatomia da Faculdade de Medicina, que reunia condições adequadas para o efeito. Trata-se de uma colecção única, constituída por desenhos artísticos, a maior parte representando estruturas do interior do corpo humano, realizados pelos alunos entre 1905 e 1938, período em que Henrique de Vilhena foi responsável pela disciplina de anatomia artística na Escola de Belas Artes. Entre os alunos de Henrique de Vilhena refira-se Maria Helena Vieira da Silva, um dos artistas maiores da história da arte do século XX, que frequentou, por opção pessoal, um dos seus cursos na Faculdade de Medicina, entre 1926 e 1927, antes da sua ida para Paris.
Durante mais de meio século a colecção permaneceu longe do público, guardada no Instituto de Anatomia. Em 2008 O Museu de Medicina iniciou a inventariação da colecção, no contexto de um projecto promovido pelo Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. No quadro das comemorações do centenário da Faculdade de Medicina e da Universidade de Lisboa, o Museu de Medicina, em parceria com a Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, e o apoio da Reitoria da Universidade de Lisboa e da Fundação Calouste Gulbenkian, organizou a exposição «Gabinete de Anatomia – Arpad, Vieira e os desenhos anatómicos do Museu de Medicina», inaugurada em 2011 na Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa, e no ano seguinte apresentada também na Casa-Museu Abel Salazar da Universidade do Porto.Um convite do professor António Gonçalves Ferreira, actual director do Instituto de Anatomia, para apresentar uma mostra de desenhos da colecção no contexto de do «European Joint Congress of Clinical Anatomy 2013», evento por si presidido, foi o pontapé de partida para esta exposição. A ideia, desde logo, foi articular o passado com presente, ligando a memória histórica veiculada pelos desenhos anatómicos com novas aproximações estéticas ao conceito de corpo realizadas hoje por alunos da Faculdade de Belas Artes. Tal só foi possível graças ao empenho do professor Hugo Ferrão, regente da unidade curricular de Ciberarte, que soube envolver criativamente os seus alunos no projecto. Também a designer Nina Szielasko se aliou ao projecto desde o início, dando unidade à diversidade das propostas, numa linha gráfica por si definida que confere ao conjunto uma coesão e identidade próprias.

Manuel Valente Alves, co-curador da exposição


Este projecto reveste-se de significado especial, pois materializa uma plataforma interdisciplinar entre arte, ciência e tecnologia num tempo em que se questiona o corpo como última fronteira e se reflecte sobre a crescente naturalização dos dispositivos tecnológicos que  habitam o imaginário das gerações mais novas. Ver e desenhar o corpo sempre foi uma prática artística intimamente associada ao conhecimento cientifico. Este fascínio é exercido de Leonard da Vinci, com os magníficos desenhos e apontamentos, a Stelarc com as próteses robóticas e a ideia de corpo obsoleto.
A unidade curricular de Ciberarte, está inserida na licenciatura de Pintura da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e tem como objectivos sensibilizar e consciencializar para o impacto das novas tecnologias de informação e comunicação na formalização do discurso artístico. A arte está cada vez mais a configurar-se num sistema cultural de comunicações à escala global, que se desmaterializa e deixa de ser «objecto» com fronteiras semânticas estáticas e estáveis.
Esta exposição tem na sua génese uma interrogação - Como é que se podem olhar os desenhos anatómicos realizados pelos antigos alunos da Belas-Artes no inicio do século XX,interpretá-los e conceber novas imagens pelos estudantes de hoje da mesma instituição. Este desafio deve-se ao Doutor Manuel Valente Alves, Director do Museu de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. O próprio título encontrado para esta mostra: «Laboratório de Anatomia – Ver e Pensar o Corpo», acentua a aura das manifestações artísticas colocadas num contexto de visibilidade e legibilidade capazes de convocar os registos tradicionais do desenho, da pintura, a modernidade das imagens fotográficas e videográficas e a pós-modernidade de onde emergem as imagens de matriz digital.
O processo estruturante deste projecto ancorou-se na criação de uma comunidade virtual, composta por equipas que ciclicamente se encontravam fisicamente nas aulas para apresentarem as suas incursões em territórios teórico-práticos que anunciam descobertas e inquietações. O enorme envolvimento, por parte de todos os envolvidos, deve-se, em grande medida, ao crescente reconhecimento da necessidade do cruzamento de saberes e experiências ao nível universitário, uma visão programática que marcou os últimos anos da Universidade de Lisboa.
Os alunos foram de uma dedicação enorme, ultrapassando todas as dificuldades, logísticas, económicas e outras… esta«matéria prima», de todo admirável, ficou seduzida pelo potencialde participar e construir marcas indeléveis dos seus seres, testemunhadas pelas várias perspectivas conceptuais e técnicas, garantindo a diversidade individual do ser, queé por si só capaz de instaurar a dimensão do futuro, sonhar humanidade.

Hugo Ferrão, co-curador da exposição

 


Exhibition
LABORATORY OF ANATOMY
-
Seeing and Thinking the Body

Organization
Museu de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em parceria com a unidade curricular de Ciberarte da Licenciatura em Pintura da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa

Colaboration
Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva

Support
Reitoria da Universidade de Lisboa

Curators
Manuel Valente Alves e Hugo Ferrão

Graphic concept
Nina Szielasko

Place
Reitoria da Universidade de Lisboa

Date
28 June to 13 September 2013


 
 
 
 
 

The exhibition Laboratory of Anatomy - Seeing and Thinking the Body is organized by the Museum of Medicine of the Faculty of Medicine, University of Lisbon (FMUL) in partnership with Faculty of Fine Arts of Lisbon (FBAUL), the collaboration of Arpad Szenes - Vieira da Silva Foundation and the European Joint Congress of Clinical Anatomy Lisbon 2013 (EJCCA 2013), and the support of the Rectory of the University of Lisbon.
The exhibition aims to create a space for enjoyment and reflection on the body, connecting graphical representations of the past with artistic interpretations of the present. The project took as its starting point a set of anatomical drawings the collection of the Museum of Medicine, conducted during the first half of the twentieth century by students of the chair of "Artistic Anatomy» of Fine Arts School in Lisbon, under the supervision of Henry de Vilhena, anatomist, professor at that school and founder of the Institute of Anatomy of the Faculty of Medicine of the University of Lisbon.
Inspired by these drawings, 50 students of «Ciberarte» curricular unit of the Faculty of Fine Arts at the University Lisbon created in this academic year, a group of art works, using concepts, techniques and poetic diversified, linking past and present, reality and imagination, art and science. According to the same logic a group of four drawings of Vieira da Silva, acknowledged international artist, who was also a student of Henrique de Vilhena, from the collection of the Arpad Szenes-Vieira da Silva Foundation.
 ----------

 
"The university is a meeting point. Between people. Between generations. Between disciplines. Between past and future.
The exhibition Anatomy Laboratory takes us to see and think the body through a dialogue between anatomical drawings made in the first half of the twentieth century and artistic interpretations made by students of the Faculty of Fine Arts during the last year.
Through six core themes this exhibition [...] join different looks of very different generations in a work setting that defines the Art and Science.
The university is an institution of culture and knowledge, open to the city and society.
Through this exhibition we fulfill our mission to preserve and renew the inheritance we receive. Thus, we continue to transform the past into the future."


António Sampaio da Nóvoa
, Rector of the University of Lisbon

"This exhibition, as others organized by the Museum of Medicine of the Faculty of Medicine, University of Lisbon, shows that it is possible, through community friendly projects, to defend the values of culture, bringing together different areas of knowledge and research, throughout inter-institutional dialogue, giving to see and think the heritage museum inside and outside of doors. To call the past to the present for creating an idea of the future, is the great motto of the University."

Manuel Valente Alves
, co-curator of exhibition and director of the Museum of Medicine FMUL

"The structural process of this project was based on the creation of a virtual community composed by teams of students that regularly presented their discoveries and inquietudes in the class. The great involvement of all intervenient was due to the growing recognition of the need to share knowledge and experiences within the university, a programmatic outlook that marked the last years of the Lisbon University."

Hugo Ferrão
, co-curator of the exhibition and professor of the course of Ciberarte FBAUL